[O Funeral da Nossa Mãe [BOOK] Free Read online Ebook ☆ Célia Correia Loureiro – PDF, TXT & Kindle eBook free

  • Paperback
  • 437
  • O Funeral da Nossa Mãe
  • Célia Correia Loureiro
  • Portuguese
  • 11 January 2019
  • null

Célia Correia Loureiro Û 8 Read

review O Funeral da Nossa Mãe O Funeral da Nossa Mãe review ¹ 8 Célia Correia Loureiro Û 8 Read M trágico acidente de carro em vésperas de NatalCom a ajuda de Elisa única irmã de Carolina vão desvendar ao longo de uatro dias o passado inesperado da mãe ue não é bem auilo ue tinham julgado e ue cometeu um acto indesculpável para prender há trinta e oito anos atrás auele ue viria a ser o pai das suas três filh. Nunca tinha lido nada desta autora e foi um surpresa agrad vel Um livro ue nos faz viajar at ao Alentejo para descobrir 3 irm s ue s o obrigadas a estar novamente juntas ap s o suic dio da m e A partir daui a hist ria da fam lia contada atrav s de relatos do passado intercalados com o presente uma hist ria cheia de de revela es e descobertas uer para n s leitores uer para as personagens ue v o descobrindo o passado da fam lia depois da morte da m e No fundo uma hist ria de amor e mentira mas acima de tudo do valor de um grande amor

review O Funeral da Nossa Mãe

O Funeral da Nossa Mãe

review O Funeral da Nossa Mãe O Funeral da Nossa Mãe review ¹ 8 Célia Correia Loureiro Û 8 Read M trabalho e despreza o seu passado Praticamente jurara não voltar a pisar a vila da sua infância Cecília recentemente casada é pianista de fama relativa e acabara de se mudar definitivamente para Vila Flor Inês ue dedica a sua juventude às causas políticas mal recorda um pai de uem se vai falar bastante e ue morreu nu. Esta nova hist ria transporta nos para uma aldeia fict cia Vila Flor onde ao fim de alguns anos as tr s filhas resultantes do casamento entre Louren o e Carolina se juntam para dar in cio a uma viagem absolutamente surreal ao passado dos seus paisAs tr s irm s curiosas ap s a morte da m e decidem vasculhar o ba Para surpresa das mesmas ao longo da hist ria v o se deparando com situa es nas uais a sua m e esteve envolvida demasiado envolvidaConseguir o cora o destas irm s perdoar a loucura da m e Para cada uma delas o destino tornou se demasiado cruel ao depararem se com uma realidade t o concreta dif cil dar credibilidade loucura de Carolina e maneira como se disp s a viver tranuila e confortavelmenteUm romance ue nos cativa sempre mais Uma hist ria ue nos envolve nos fascina Algo ue deve ser apreciadoUma ptima viagem ao Portugal dos anos 70Um amor ue n o tem fim Uma promessa para a vida Ao ser convidada para fazer a apresenta o deste novo livro da C lia tive de ler a hist ria de novo n o porue j estivesse esuecida mas simplesmente para ser novamente transportada para auela realidade para auele peueno mundoManter novamente contacto com a Carolina despertou em mim sentimentos contradit rios pois podemos avaliar a personagem de diferentes perspectivas sendo ue ter mais ou menos impacto dependendo da sensibilidade do leitorLu sa Cec lia e In s revelaram se como j tinha acontecido as personagens mais ueridas ao longo da hist ria Cada uma sua maneira com o seu feitio compreendeu o passado dos seus pais o poru as raz es de as coisas se terem passado da maneira ue passaram e acima de tudo a vinda das mesmas ao mundo ComoUm livro com uma maturidade imensa ue nos pode levar s l grimas Aconteceu comigo A abordagem de alguns temas podem nos fazer pensar bastante na vidao poru de as coisas serem como s o e porue n o de outra forma O poru de estarmos aui hoje e amanh podermos j n o estarVerifica se uma sensibilidade da escritora para abordar comentar evidenciar certos assuntos E penso ue nesse aspecto a C lia est de parab ns pois capta a nossa aten o de tal maneira ue imposs vel desgrudar imposs vel ficar indiferentePor isso aconselho a ue conhe am esta hist ria a ue a vivam intensamente como se fosse a vossa a ue chorem riam sorriam amem desfrutem sintam pena sim sintam pena porue sentir pena neste caso pode ser fundamental pode arrepiar pode magoar pode acontecerue a alma desta Carolina descanse em paz ue n o atormente mais vidas ue tenha sido apenas ela inconfund vel irreconhec vel intrag velmas somente ela Somente as suas ac es puderam dar vida a esta hist ria apenas ela foi o batimento card aco a pulsa o o c rebro disto tudoParab ns C lia pela maravilhosa hist ria Por me ter feito agarrar compulsivamente a estas personagens a estas vidas a esta calor humano ue se fez sentir 3

Read & Download Ô eBook, ePUB or Kindle PDF Û Célia Correia Loureiro

review O Funeral da Nossa Mãe O Funeral da Nossa Mãe review ¹ 8 Célia Correia Loureiro Û 8 Read Uando Carolina Alves se suicida aos 58 anos deixa um último pedido o de ue as suas três filhas se reúnam no seu funeral na peuena povoação fictícia de Vila Flor Alto Alentejo uer ue participem na festa em honra da padroeira da mesma pondo de lado o decoro esperado de três órfãsLuísa emigrou para França é viciada e. 22 de agosto de 2012Caros leitores e caros colegas escritores caro cr tico mais escritor auele ue escreve do ue auele ue publica N o estou certa disso Sempre me senti um pouco escritora C na rua cantei bastante em crian a e da me chamavam a cantora Depois a minha av denunciou os meus h bitos nocturnos de escrita e vai da chamavam me a escritora Fiuei me por aui creioHoje terminei a revis o de 430 p ginas d O Funeral da Nossa M e um trabalho ue n o voltarei a ter na vida respeitante a esta obra e em respeito C lia de 2012 mais do ue um suspiro pelo trabalho exaustivo terminado ergo um copo a este momento Se algo em grande Nem por isso Nem t o pouco em casa o comunicarei at porue ningu m compreenderia e ningu m daria valor simples escrever me t o natural ue h pouco de extraordin rio nisso mais comum ue eu escreva do ue veja novelas ou ue escreva do ue v praia at um h bito aborrecido e por vezes inconveniente porue se mete no caminho uando os outros reclamam a minha aten o ou somente a minha presen a na TerraEm rela o a esta revis o confesso ue n o tive metade do nimo ue dispensei ao Dem ncia N o porue ame menos este meu fruto e uem os tem sabe ue por mais orgulho ue se tenha neste ou nauele um rebento um rebento e sempre amado por isso Talvez eu at ame este livro mais do ue o anterior porue todo um processo de aperfei oamento e uma segunda chance de me superar ue o primeiro proporcionou Mas eu j sabia no ue me estava a meter S o horas e horas a tentar focar a vista em letrinhas peueninas ue escrevemos h meses e ue de t o bem as conhecermos se misturam e soam todas nossa mesma voz Se forem como eu isto loucamente embevecidos pelo ue de n s sai em parto natural perdemo nos at no prazer ue a escrita nos proporciona e ue se danem as gralhas gafes e erros de gram tica ue eu de gram tica tamb m nada seiFalaram me em estruturas de romance lamento n o sei o ue isso N o estudei jamais Literatura n o tenciono faz lo uero ue o ue uer ue desta ideia saia perten a primeiro a mim e s depois ao mundo E n o ao mundo s ci ncias human sticas e liter rias antes de a mim Espero ue com isto ue crio consiga tocar as profundezas da compreens o e da como o uem sabe de uem me l Tal como o Dem ncia este livro uma reflex o sobre culpas e conseu ncias N o sei fazer livros muito felizes mas n o nego algum humor alguma ironia a uem se atrever a ler mePoder at vir a encontrar neste livro as maiores daueles ue murcham uem deles padece e as menores aueles ue vivem do benef cio do momento da circunst ncia Sim neste Funeral h mais amor do ue no Dem ncia e h mais reflex es em torno desse amor do ue no Dem ncia o livro um espelho fiel do autor da sua intelig ncia ou falta dela da sua perspic cia da sua concep o do mundo e dos outros do seu n vel de observa o ou de distrac o para com tudo o resto da sua vaidade at por vezes Tenho sido freuentemente abordada por muito boa gente muito inteligente e capaz ue inclusive me apresentam textos com evidentes rasgos de brilhantismo e ue me dizem ue n o conseguem dar continuidade a uma ideia ue n o t m imagina o Ou ue n o sabem sobre o ue escrever E com isto entendi finalmente ue escrever n o natural ue ter se ideias ser se at perseguido por ideias n o natural ue ser se capaz de terminar um livro n o natural embora seja cada vez mais banal mas n o natural Ser se aruitecto no espa o e jogar se apenas com a assimetria e a disson ncia das palavras n o natural Erguer castelos de letras de alicerces s lidos n o natural Concluir uma obra de 300 ou 400 p ginas com p s e cabe a ainda algo digno de congratula es Ainda algo ue nem toda a gente consegue A arte tem esse efeito afastar nos da vida geralmente t o dura t o impiedosa t o pouco importada com o fazer sentido A arte eleva nos perdoem me f s do Fifty Shades of Grey se continuar a disparatar a seu respeito Pensem a C lia acha um disparate e uma perda de tempo mas a C lia sabe ue uma pessoa deve fazer o ue for preciso para ser feliz e ela s vezes at l a TV 7 Dias Seja ler o Fifty Shades seja gastar o ordenado de meio m s em livros E a liberdade uma coisa doce Por isso digam o ue uiserem Eu digo o ue uero e calo o ue por respeito considero melhor ficar silenciado E ue o entendimento de cada um sobre respeito esfor o e dedica o seja s do seu foro e assim permane auanto a mim estou em j bilo O Funeral da Nossa M e tem 430 p ginas come a com um poema a respeito do indigno ue desejar se algo pelo ual n o se luta e termina com um gosto a vida Um travo de possibilidadesEm Castelo de Letras